Ambulatório de Especialidades Médicas

Ambulatório de Prevenção e Tratamento de Lesões de Pele

Ambulatório de Quimioterapia

Banco de Córneas

Banco de Tecidos

Centro de Cardiodiagnóstico

Centro de Cirurgia Bucomaxilofacial

Centro de Diagnóstico por Imagem

Centro de Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento

Centro de Epilepsia

Centro de Imagem da Criança

Centro de Infusão

Centro de Medicina Cérvico Facial

Centro de Medicina Fetal

Centro de Medicina Sexual

Centro de Nódulos da Tireoide

Centro de Prevenção do Câncer

Centro de Reabilitação Pulmonar

Centro de Tratamento da Obesidade

Centro de Tratamento Integrado da Dor

Centro Internacional de Arritmias - Instituto J. Brugada

Cirurgia Cardiovascular

Cirurgia Vascular e Endovascular

Diálise

Emergência adultos

Emergência Pediátrica

Hemodinâmica em Cardiologia Intevencionista

Laboratório de Análise de Clínicas

Laboratório de Função Pulmonar

Laboratório de Imunologia de Transplantes

Laboratório de Micologia

Laboratório de Microbiologia

Laboratório de Motilidade Digestiva

Laboratório de Patologia

Laboratório de Sono

Litocentro

Maternidade Mário Totta

Neurorradiologia

Núcleo de Cirurgia Plástica

Núcleo de Diagnóstico em Ginecologia

Nutrição

Pneumologia Pediátrica

Programa Gerenciado de Cuidados Paliativos

Radiologia

Radioterapia

Reabilitação Robótica – Serviço de Fisioterapia

Serviço de Cardiologia Clínica

Serviço de Cirurgia de Coluna Pediátrica

Serviço de Cirurgia Torácica

Serviço de Dermatologia

Serviço de Endoscopia

Serviço de Imagens Moleculares - PET/CT

Serviço de Neurocirurgia

Serviço de Oftalmologia

Serviço de Ortopedia e Traumatologia

Serviço de Otorrinolaringologia

Serviço de Pneumologia

Serviço de Quimioterapia Pediátrica

Serviço de Urologia

Centro de Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento

O Centro de Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento, localizado no Hospital São José, é referência no atendimento, com neurologistas especializados no diagnóstico e tratamento dos movimentos anormais.



O que são Distúrbios do Movimento?

Os Distúrbios do Movimento, também conhecidos como Movimentos Anormais, incluem várias doenças neurológicas que apresentam em comum alguma alteração na movimentação do corpo.

São classificados em dois grupos: os que apresentam redução e lentidão do movimento (distúrbio hipocinéticos) e os que apresentam excesso de movimento (distúrbios hipercinéticos).



Quais os sintomas/causas dos Distúrbios do Movimento?

  • Distúrbios hipercinéticos: apresentam movimentos involuntários como tremores, mioclonias, coréia, distonias e tiques. Têm causas variadas, desde doenças prevalentes até situações raras. 
  • Distúrbios hipocinéticos: Apresentam lentificação  e dificuldade de iniciar e manter  os movimentos. A Doença de Parkinson é o exemplo mais típico.



O que é a Doença de Parkinson?

A Doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa causada pela perda progressiva de neurônios. A principal área afetada denomina-se substância nigra, que contém neurônios que ajudam a controlar os movimentos do corpo, especialmente a velocidade e a agilidade motora.

Essa função é executada por uma substância chamada dopamina, que é um mensageiro químico e emite sinais para o corpo estriado, uma importante estrutura motora do cérebro. A redução da quantidade de dopamina, pela perda das células nervosas, resulta em mau funcionamento do corpo estriado e dificuldade na capacidade da pessoa controlar seus movimentos.


Quem desenvolve a Doença de Parkinson?

A Doença de Parkinson é uma doença neurológica frequente, com aproximadamente 20 casos novos por 100.000 habitantes por ano. A prevalência é em torno de 3% da população acima de 60 anos.

A maioria dos pacientes apresenta os primeiros sintomas após os 40 anos de idade, mas pode iniciar mais cedo, e é mais frequente acima dos 60 anos. Com o aumento da expectativa de vida da população, um número crescente de indivíduos tende a desenvolver a doença.


Quais os principais sintomas da Doença de Parkinson?

  • Rigidez: ou tensão muscular, determinando dificuldade de movimentar braços, pernas ou tronco. A rigidez pode determinar uma postura encurvada.
  • Tremor: é um sintoma comum e com frequência o primeiro a aparecer. Ocorre principalmente durante repouso e pode envolver mãos ou membro superior, pés ou membro inferior, ou queixo.
  • Bradicinesia que é a lentidão para iniciar e realizar os movimentos, com redução da amplitude dos movimentos. A marcha fica com passo curto e arrastada; a expressão facial está diminuída e a letra diminui de tamanho durante a escrita. Pode também existir redução no volume da voz desde início da doença.
  • Perda de reflexos que mantém a postura, com dificuldade de manter o equilíbrio, às vezes ocasionando quedas, que geralmente ocorrem em fases mais avançadas da DP.

Os sintomas não precisam ocorrer simultaneamente em todas as pessoas, sendo que em alguns predomina o tremor e em outros a rigidez e bradicinesia. No início, a doença costuma aparecer em um lado do corpo, envolvendo o outro lado com a progressão da doença.

Manifestações não motoras também podem ocorrer como: alteração do olfato, depressão, alterações do sono e distúrbios do sistema nervoso autônomo.A memória e o raciocínio em geral não estão comprometidos no início dos sintomas, embora alterações nestas áreas possam ocorrer com o passar do tempo.

A evolução dos sintomas é usualmente lenta e progressiva, mas variável em cada caso.

Nem sempre os pacientes que apresentam esses sintomas têm doença de Parkinson, embora essa seja a causa mais frequente. Chamamos de Parkinsonismo quando os sintomas são semelhantes à Doença de Parkinson, mas são causados por outras condições. A avaliação criteriosa por neurologista com experiência na área é importante para o diagnóstico correto.

 

Como é feito o diagnóstico da Doença de Parkinson?

O diagnóstico é clínico e está baseado no conjunto de sintomas e na evolução da doença. Ele sempre é um diagnóstico de probabilidade, já que algumas doenças podem se apresentar de forma semelhante. Não existe um exame isolado que permita o diagnóstico de Doença de Parkinson com certeza em vida. Em geral são feitos alguns exames para excluir outras doenças que podem se apresentar de forma semelhante. Alguns outros exames podem contribuir para aumentarmos o grau de probabilidade de um indivíduo ter a doença.


Tratamento medicamentoso

Ainda não existem drogas disponíveis comercialmente que possam curar ou evitar, de forma efetiva, a progressão da degeneração de células nervosas que causam a doença. Há diversos tipos de medicamentos antiparkinsonianos disponíveis para tratamento sintomático (dirigido à melhora dos sintomas), que devem ser usados em combinações adequadas para cada paciente e fase de evolução da doença, garantindo, assim, melhor qualidade de vida e independência.

O tratamento medicamentoso deve ser individualizado: nem sempre a medicação que traz resultados para uma pessoa será boa para outra.

 

Existem drogas novas ou tratamentos novos?

São muitas as medicações disponíveis para o tratamento sintomático da Doença de Parkinson, algumas acrescentadas recentemente, o que vem ampliando as possibilidades terapêuticas em diferentes fases da doença. Existem também drogas em investigação, em um esforço da comunidade científica para obter melhores resultados no tratamento sintomático, com um mínimo de efeitos adversos.

Medicamentos direcionados aos mecanismos da doença, com potencial de conter a progressão ou reverter o processo patológico, também estão em investigação, trazendo perspectiva de tratamento mais efetivo.


E o tratamento cirúrgico?

Em casos específicos, o tratamento cirúrgico é uma boa opção terapêutica. A cirurgia também não é curativa, mas ajuda a aliviar os sintomas como tremor e rigidez e melhora a qualidade de vida. Está indicada principalmente para os pacientes que melhoram com os medicamentos, mas apresentam complicações que dificultam sua utilização.

Pode ser realizada lesão em locais específicos do cérebro que estão hiperfuncionantes. Outra opção, mais recente e que tem sido cada vez mais utilizada por ser mais eficaz e segura, é o implante de Estimulador Cerebral  Profundo (DBS), que pode ser regulados para controle dos sintomas.


E outras formas de tratamento?

Tratamentos adjuvantes com fisioterapia e fonoaudiologia são muito importantes. O objetivo do tratamento, incluindo medicamentos, fisioterapia, fonoaudiologia, suporte psicológico e nutricional, é reduzir o prejuízo funcional decorrente da doença, permitindo que o paciente tenha uma vida independente, com qualidade, por muitos anos. 

 

Agende sua consulta pelo site clicando aqui ou pelo telefone (51)3214.8000 (atendimento telefônico das 7h às 22h, todos os dias, inclusive sábádos, domingos e feriados). 

 


Agendamento: (51)3214.8000
Horário de atendimento: De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
Localização: 1º andar – Hospital São José