Voltar às notícias

Recorde de transplantes na Santa Casa

21/05/2013

Em coletiva de imprensa realizada hoje, 21 de maio, as equipes médicas anunciaram que de 8 a 15 de maio de 2013 foram realizados 21 transplantes de órgãos, um recorde sem precedentes na Instituição.

Em alguns momentos, depois da inauguração em dezembro de 2001 do Hospital Dom Vicente Scherer – o centro de transplantes da Instituição –, a Santa Casa registrou até 12 ou 13 cirurgias em uma semana. Houve outros momentos de destaque: da noite de 2 de agosto ao início da tarde de 4 de agosto do ano passado, por exemplo, a Santa Casa realizou sete transplantes renais pediátricos, um recorde brasileiro e continental. Mas esta é a primeira vez que a Instituição faz 21 transplantes de órgãos em apenas oito dias, sendo sete de pulmão, onze de rim e três de fígado.

De 31 de maio de 1977, data do primeiro transplante de rim, até a sexta-feira passada, 17 de maio de 2013, já foram realizados 7.334 transplantes de órgãos e tecidos na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, o que a torna um dos centros latino-americanos que mais realiza esse tipo de procedimento.

Pulmão

O feito mais significativo – pela complexidade do procedimento e dificuldade de se obter doador – foi realizado pela equipe de transplante pulmonar, coordenada pelo Dr. José Camargo (foto). De 8 a 15 de maio, foram realizados sete transplantes, sendo um deles bilateral, ou seja, um dos sete pacientes recebeu dois pulmões. Segundo o Dr. Camargo, este é “certamente um recorde latino americano”. Ele destaca que cinco dos pulmões implantados provieram de doadores do Paraná e de Santa Catarina.

Das seis equipes atualmente capacitadas para o transplante de pulmão no Brasil, Camargo coordena a que mais transplantou pulmões em 2012: no Hospital Dom Vicente Scherer foram feitos 30 transplantes do total de 69 registrados em todo país, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). 

Rim

Com 3.339 cirurgias realizadas desde a pioneira em 31 de maio de 1977 até abril deste ano, os transplantes de rim representam a maioria dos procedimentos deste tipo na Santa Casa. No primeiro quadrimestre de 2013, portanto – de 1º de janeiro a 30 de abril – a Coordenadoria de Transplantes da Santa Casa registrou 75 transplantes deste órgão, estabelecendo a média de 4,37 cirurgias por semana. Média superada na semana de 8 a 15 de maio. Neste período foram onze transplantes de rim, realizados pela equipe do Dr. Santo Pascual Vitola. Desses onze, três foram em crianças, que representam hoje uma alta demanda de pacientes vindos de diversos Estados que a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre absorve.

Fígado

Duas equipes de transplantes de fígado atuam na Santa Casa. A equipe liderada pelo Dr. Guido Cantisani realizou o primeiro transplante de fígado em 15 de junho de 1991. Desde aquela data até 20 de maio de 2013 realizou 981 transplantes, consolidando sua condição de segunda equipe que mais transplanta fígados no Brasil.

Dos três transplantes de fígado realizados no período 8 a 15 de maio, dois foram feitos pela equipe do Dr. Cantisani, em procedimentos liderados pela Dra. Maria Lúcia Zanotelli.

A outra equipe de transplantes hepáticos da Instituição é liderada pelos Dr. Paulo Roberto Ott Fontes e Luiz Pereira Lima. Ela atua desde 2006 e já realizou 59 transplantes, o último deles em 15 de maio de 2013.   

Vitória coletiva

Este recorde de 21 transplantes em oito dias é uma vitória não apenas da Santa Casa e de suas equipes médicas, mas de todo o sistema brasileiro, tanto público quanto privado, voltado aos transplantes e à doação de órgãos. Um esforço de dimensão nacional que inclui as centrais estaduais de transplantes, as equipes de retirada e de implante de órgãos, o SUS (responsável pelos custos de 20 dos 21 transplantes feitos na Santa Casa de 8 a 15 de maio de 2013), as Organizações de Procura de Órgãos (OPOs), as campanhas de conscientização para doação de órgãos e, muito importante, a solidariedade das famílias que doaram os órgãos.

“Essa série de transplantes vivenciada na Santa Casa significa que a estrutura de captação de órgãos, notificação e organização está funcionando e – com envolvimento e solidariedade da comunidade – só tende a aumentar”, comemora o Dr. Valter Duro Garcia, coordenador de transplantes da Santa Casa.

 

Foto: Bruno Lois

Assessoria de Imprensa
Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre
Jornalista responsável: Ivo Stigger
imprensa@santacasa.tche.br

Mais notícias: